FestRio - o Festival do Rio
Escrita em 18/10/10 por admin
Casos de Sucesso


Pouco mais de uma década – este parece ser o tempo de maturação para um caso consistente de sucesso. Pelo menos foi o que bastou para tornar o Festival do Rio no maior evento do gênero da América Latina e na plataforma principal de lançamento de filmes nacionais e estrangeiros no mercado brasileiro.

Todo o ano setembro marca a primeira oportunidade para os cinéfilos (e milhares de pessoas) assistirem em primeira mão a filmes promissores, que incluem a assinatura de diretores consagrados e obras premiadas em Cannes, Veneza e Berlim entre as cerca de 300 produções exibidas a cada edição.

Pelo Rio de Janeiro passam convidados como Viggo Mortensen, Costa-Gavras, Roman Polanski, Louis Malle, Carlos Saura, Stephen Frears, Isabelle Huppert, Forest Whitaker, produtores e curadores de importantes festivais internacionais. O prestígio internacional e a imagem da cidade fizeram com que o evento concentrasse o glamour que os festivais de Brasília e Gramado já tiveram.

O Festival do Rio surgiu em 1999 de uma fusão de duas iniciativas anteriores: o Rio Cine Festival (1984) e a Mostra Rio (1988), originalmente com o nome de Mostra Banco Nacional de Cinema. “Sabíamos que uma cidade como o Rio teria vocação para eventos desse porte. Essa união facilitava a obtenção de recursos e a projeção internacional”, conta Ilda Santiago, sócia do Grupo Estação e diretora do Festival.


O formato original veio Mostra Rio, que, depois de exibir 60 filmes nacionais em 1988, ampliou o escopo e chegou a 280 no ano seguinte, incluindo longas estrangeiros selecionados em festivais internacionais. Em sua primeira edição, o Festival do Rio teve orçamento de R$ 2,5 milhões e recebeu 100 mil espectadores.

”O grande desafio era convencer os patrocinadores de que valia a pena investir no evento, que havia se tornado mais caro, além de chegar a um consenso sobre seus rumos e unificar as equipes”, lembra Ilda, que participou da equipe da Mostra Rio.

Com o passar do tempo, o Festival ganhou mostras, importância e prestígio. Segundo sua diretora, seriedade e paixão foram atitudes fundamentais nesta trajetória. O evento de 2009 custou R$ 8 milhões e, em duas semanas de duração, atraiu 250 mil pessoas. Mas o sucesso do FestRio não tornou sua realização menos complexa: “Procuramos estabelecer parcerias duradouras com os patrocinadores, mas fazer cultura no Brasil é matar um leão por dia. Continuamos enfrentando este desafio como qualquer evento do tipo. A diferença para a maioria deles é a escala”, conclui Ilda.





Leia também o artigo:

Um novo olhar sobre o Festival do Rio

Outras notícias e comentários adicionais estão disponíveis em: Fazer e Vender Cultura
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores.