O laser tem a força
Escrita em 12/007/10 por admin
SomDe Flash Gordon a Darth Vader, o raio laser brilhou na ficção. E agora está arrasando na realidade do cotidiano. Embora a pistola laser desintegradora ainda não exista, a luzinha equipa a mira de fuzis convencionais, garantindo o tiro certeiro (tanto da polícia quanto do bandido). Ela está também nas impressoras "a laser" e nas leitoras de HD de todos os computadores; naquele pontinho vermelho que os palestrantes usam para indicar tópicos em suas apresentações eletrônicas; nas clínicas de estética - tirando varizes, apagando manchas de tatuagens e rejuvenescendo rostos. Nos eventos culturais, sua presença é um must.

Embora a tecnologia seja antiga – Einstein fez os primeiros estudos – o laser ainda remete à sofisticação e modernidade. Sua utilização empresta um ar futurista e high tech a qualquer evento, seja um desfile de escola de samba, uma apresentação empresarial ou mesmo uma festa de 15 anos.





O uso da luz de laser começou a se popularizar no Brasil a partir dos anos 1970. De lá pra cá, a tecnologia evoluiu significativamente: “Utilizando o laser em estado sólido, de refrigeração a ar, o equipamento não atrapalha o cenário e pode ser adaptado a qualquer ambiente”, afirma Timna Gomes, responsável pelo setor comercial da Skylaser, empresa especializada neste tipo de iluminação.

O LASER - "light amplification by stimulated emission of radiation", ou “amplificação da luz por emissão estimulada por radiação” - é uma luz muito intensa e polarizada. A frequência bem definida deste tipo de radiação eletromagnética produz uma luz monocromática que se propaga num facho, criando um raio denso e reto.


Ele vai dominar a cena



O produtor cultural será obrigado a ter maior intimidade com esta tecnologia porque ela está na base da holografia e da captura e exibição de imagens em 3D que invadirão, em breve, o universo cultural. Hoje, os usos para o laser são bastante específicos. Ele está numa categoria especial da iluminação cênica: a dos efeitos especiais e, por esta característica, é utilizado também em iluminação para ambientes e pistas de dança.

Seu uso mais comum em shows é na projeção de desenhos geométricos em fundos de palco, ou para projetar logos em fachadas de prédios. A técnica consiste em movimentar o ponto luminoso muito rapidamente num looping sobre uma superfície. Produz-se um efeito semelhante ao conseguido rodando um ponto luminoso em círculo, como um cigarro aceso no escuro. O resultado visível é um anel de luz. Os modernos equipamentos conseguem alguma imagens um pouco mais elaboradas, mas, ainda assim, como são produzidas por movimentos mecânicos do feixe de luz, são limitadas. Para ser visto, nas potências disponíveis, o lazer precisa de uma superfície na qual "escreva". Caso contrário, será necessária uma maquina de fumaça que permita um meio denso para a visualização do raio de luz.

A iluminação a laser não costuma desempenhar papel de coadjuvante porque ela chama muito a atenção.  A exceção fica para as pistas de dança, quando produz belos efeitos em ambientes esfumaçados, dando a sensação de profundidade. Mas em geral, o laser tem papel de protagonista nos eventos: planejado em harmonia com a música, constitui-se num show em si, marcando pontos altos: “Para uma boa apresentação, o ideal é que conheçamos todo o roteiro do evento, para criar uma exibição única, personalizada”, defende Timna.

O laser pode ser utilizado em ambientes fechados, ou em eventos ao ar livre – nesses casos, a tela é substituída por outras superfícies, como fachadas de prédios ou morros. O tamanho das imagens está diretamente relacionado com a distância entre o equipamento de projeção e o local onde a imagem é projetada – quanto maior a imagem, maior deverá ser a distância; em ambientes fechados a distância de 2m x 2m costuma ser suficiente. Em grandes eventos abertos, as projeções podem atingir até 20 metros de altura. Projetores de laser básicos podem ser adquiridos a partir de R$ 500,00. Os de maior potência precisam de refrigeração à água ou ar, o que aumenta muito o tamanho do aparato.

As possibilidades são muitas, mas o custo e o desconhecimento da versatilidade do laser ainda impedem uma difusão mais ampla em eventos culturais, como shows e concertos: “Elaboramos uma peça de Natal completa, todas as cenas eram projetadas em laser, os personagens com fala, mas, por dificuldades burocráticas – os recursos vinham em parte do poder público – não realizamos o projeto”, lamenta Timna Gomes.

Túneis, retratos, gráficos, animações, são inúmeras as opções de utilização dessa tecnologia –que é sempre um efeito marcante, devendo ser usado em ocasiões e espaços proporcionais ao impacto a ser produzido. Por isso, convém usá-lo com parcimônia e bom senso, para não cruzar a fronteira da elegância e terminar no reino da cafonice.


Outras notícias e comentários adicionais estão disponíveis em: Fazer e Vender Cultura
Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores.